segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Medalha de Ouro na Maratona Feminina do Pan...É NOSSA!!!!





“Muitos, qdo digo q meu treinador é o Cláudio Castilho, dizem “não conheço”. Vanderlei Cordeiro ontem pra mim: “nossa, tá bem de treinador”!

Com esse texto no twitter, a antiga colega de assessoria, jornalista, blogueira (Blog Corre Corre) e maratonista das boas, Ana Paula Alfano ou simplesmente Apa (@ApaAlfano), resumiu anos de tentativas de explicar quem era o meu treinador.

Só um adendo, pra dar ainda mais credibilidade, Vanderlei Cordeiro é o mesmo do padre irlandês, maratona olímpica em Atenas...lembra?

Desculpe Apa, mas não consigo imaginar o começo deste post de outra forma. Peço emprestado a sua frase extremamente feliz. Ontem já tinha te dito que achei espetacular sua colocação.

Em primeiro lugar, todos os méritos para a Adriana Aparecida da Silva.

Quem é a Adriana?

A primeira vez que a vi, foi logo após Pequim 2008. Ela tinha acabado de correr uma das primeiras maratonas da vida (acho que em Berlim) e já tinha se dado MUITO bem. Junto com o Jose Telles, o único brasileiro que terminou a maratona olímpica na China, atleta do tal Cláudio Castilho, falou para uma plateia de corredores amadores da assessoria Saúde e Peformance, não por acaso, do treinador em comum, Cláudio Castilho.

Depois sempre via a Adriana treinando  muito forte na USP e nas ruas da zona oeste de São Paulo aos domingos,  segurando duas garrafas de água enquanto corria. Pra mim virou a marca registrada dela.

Parabéns Adriana. Quem viu a sua cara no fim da maratona dos jogos Panamericanos ontem tem pelo menos uma certeza. Você deu o máximo que tinha. Talvez, você tenha dado “aquilo a mais” que diferencia os bons corredores dos campeões! Você aparentava exaustão. Por um momento cheguei a ficar preocupado, mas logo a alegria voltou forte ao ver você abraçando o mestre com tanto carinho, com tanta emoção!

Mas minha homenagem mesmo vai pro cara que está por trás da estrela!

Pensei muito no que escrever. Não queria que fosse um post pra falar que sou “amigo da celebridade”.

Mas não poderia deixar de falar de um cara sensacional, que há 18 anos faz parte não só da minha vida esportiva.

Posso falar de cadeira. Conheço a trajetória profissional dele inteira. Conheci o Cláudio quando ainda estava na faculdade.

Tudo que ele faz é bem feito. Até hoje, só conheço um cara que eu considere melhor do que o Cláudio como treinador de natação (sim natação). Esse cara é o Silvio Kestener e tenho certeza que o Cláudio não vai ficar triste em ficar em segundo lugar pro Sílvio.

Comecei a correr com o Cláudio. Aprendi a correr com o Cláudio. Fui um dos primeiros alunos de sua assessoria. Corri maratona na roubada com esse cara. Depois corri uma decentemente. Foi difícil tomar a decisão de não correr mais com ele. Fiquei triste durante muito tempo. Ele me garante até hoje que nunca ficou chateado com a minha decisão, mas ficaria até triste se acreditasse que ele realmente não ficou.

Frescuras à parte, sempre que o bicho pega, recorro a ele.

Nos treinos pro iron, sempre levei minhas dúvidas pra ele. Nunca tive uma resposta em cima do muro! Sempre ouvi o que precisava. Corri parte do meu longo de 35 km com ele e ganhei a confiança que precisava neste dia!

Minha “benção” pré iron foi com ele. Meu primeiro agradecimento pós iron, depois de ter corrido muito bem, foi pra ele. Aliás, ele foi o primeiro a me ligar depois da prova.

Fico muito feliz por esse cara ter o reconhecimento que merece. Acho que é muito pouco ainda. Tem muito mais pela frente.

Lembro uma vez que ele angustiado, dividiu comigo um momento de escolha profissional. Ele trabalhava no Pinheiros, acho que na escola de esportes e tinha recebido uma proposta de coordenação da equipe de competição do mesmo clube. Será que ele estava achando que o bicho seria maior do que ele poderia aguentar?

A resposta está aí!

Muitos atletas bons já passaram pelas mãos dele. Tenho muita "pena" de cada um deles (o cara é carrasco): Baldaia, Telles, Adriana. Estes pra ficar nos fundistas. Existem muitos outros.

Mais do que estes atletas de ponta, os que estão extremamente orgulhosos, somos nós: eu, Melina, Kiko, Fernanda (estes realmente das ANTIGAS), Apa, Danilo, Wagner, Osvaldinho, Robertinho, Carlão, entre TANTOS outros amigos que são fãs de carteirinha e que muitas vezes (falo por mim) tivemos ciúmes da dedicação dele pela profissão, quando deixava de dar os nossos treinos na USP por causa de reuniões, campeonatos e etc, com o Pinheiros.

Só tenho receio de uma coisa.

Se antes, a figura do carrasco na beira da praça da reitoria gritando “olha o joelho, olha o braço, tronco pra frente” já era intimidadora...imagina agora que o cara tá com o ouro do Pan no peito.

NEGO, você é FODA!

10 comentários:

  1. Blois, parabéns pelo seu post como sempre muito bem elaborado e pelo resumo muito bem feito sobre esta trajetória dura, difícil, sofrida, de muita dedicação do nosso amigo, conselheiro, professor, "personal trainer" Cláudio Castinho. Todos nós que acompanhamos de perto tudo isto, tinhamos certeza que toda esta dedicação seria reconhecida um dia e aí está o resultado, na minha opinião até tarde demais. Mas, antes tarde do que nunca, como diz o ditado popular. Você assim como eu, fomos os primeiros alunos da Saúde & Performance, quando tudo começou com 5 pessoas treinando de manhã em frente a Escola de Educação Física da USP: Você, Eu, Robertinho, Melina e o Bento. Eu posso dizer que tenho a felicidade de estar a quase 13 anos treinando com o Claudio Castilho e se hoje estou no "clube dos maratonistas" e tenho disposição para treinar as 06:30 horas da manhã, a culpa é toda do Castilho.
    Parabéns a Adriana Aparecida da Silva e ao nosso coach Cláudio Castilho pela excelente conquista do Ouro no PAN. Que venham outras medalhas de Ouro! Como já dissemos, todos nós da Saúde & Performance estamos orgulhosos e temos o sentimento de que esta medalha de Ouro é um pouquinho nossa também.
    Osvaldinho - aluno-sócio-fundador Nº 05

    ResponderExcluir
  2. Blois, depois de tanto buscar resultados e medalhas como a de ontem, é possível entender o verdadeiro valor de uma conquista...o reconheciemnto de pessoas como vc que torcem, vibram, sofrem e divide cada angústia, não desse momento, mas de uma vida inteira. O caminho é duro, muito duro, mas vale a pena! Receber esta admiração tem o mesmo peso do ouro, agradeço imensamente sua amizade, e saiba que somos iguais, perfeccionistas ao extremo, chatos muitas vezes, mas amigos e autenticos.
    Agradeço a Deus todos os dias por ter colocado na minha vida pessoas como vc e o Silvião (Gran Mestre)...rs
    Quanto aos gritos na praça, virão cada vez mais fortes!
    ABS do amigo!
    Cláudio Castilho (Nego)

    ResponderExcluir
  3. Blois, nós amadores sabemos o quanto é importante poder confiar no treinador, chamar de amigo, levar bronca, combinar um churrasco depois. Chorei ontem e chorei de novo lendo o seu post. Ontem senti exatamente isso: aquela medalha é de todos nós. Tá lá isso no meu blog também. Beijão, Apa.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!

    Conjunto atleta + técnico pensando, agindo e vibrando juntos só pode resultar em bons resultados...independente de medalha ou não.

    Parabéns pra eles

    ResponderExcluir
  5. O Claudião é dez!!! Um bom equipamento já tenho, o melhor treinador do Brasil já tenho...o que falta? Vergonha na cara que ainda não criei...mas eu volto!!!!

    Cestari

    ResponderExcluir
  6. Pô.

    A gente vai ficando velho e muito mole!

    Ontem foi uma emoção forte atrás de outra. Continuou hoje.

    Começou ao ver a Adriana crescendo na prova, diminuindo o intervalo para a primeira, correndo forte, confiante.
    Continuou no IMPROVÁVEL diálogo via SMS com o próprio Cláudio durante a prova, cantando o tempo cada vez menor entre a mexicana e a Adriana, culminando com a pergunta dele "E aí?" no exato momento que a atleta dele passava a lider e corria para o ouro (Minha resposta chorando escondido: "CARALHO NEGO. VOCÊ É OURO PORRA".
    No abraço entre criador e criatura.
    No meu post relembrando algumas coisas desta longa convicência e amizade.
    No post da Apa, brilhante, emocional, emocionante.
    O comentário do Cláudio no blog, que me fez revisitar a página seguidas vezes no dia para ler o que ele tinha escrito.
    Acertou em cheio Apa. O abraço dela foi de todos nós.

    Ciro, só pra esclarecer o que talvez eu não consegui dizer claramente, hoje não treino mais com o Cláudio. Por só confiar nele, fiz com que ele tentasse mudar a estrutura e em parte o propósito da assessoria para incluir o triathlon. Sei que ele fez de tudo e até mais do que ele poderia. Não deu certo. Não me arrependo pois sei que de longe, meu fraco é o pedal, e melhorei bastante tendo a companhia de novos amigos, vendo como fazer, tentando imitar. Mas ele foi parte ativa da conquista do meu sonho, que era completar um ironman!

    ResponderExcluir
  7. Silmara Robiati Giglio Castilho24 de outubro de 2011 17:01

    Oi Blois!!!
    Adorei seu post e quando consegui parar de chorar...não sabia nem o que escrever!!!
    Eu estou muito feliz com a vitória da Adriana, ela merece!!! Fez uma prova brilhante!!
    Eu estava com o coração na boca, porque sabemos que eles trabalham no limite!!!Eu me lembro quando o cláudio dava treino para vocês nas bordas da piscina junto com o Silvião é claro,e eu achava um absurdo! Tamanho sofrimento!!!Depois fui me acostumando e aprendi a gostar desse sofrimento também rsrsrsr...
    Minha admiração, respeito e orgulho por esse "nego" é enorme!!!
    Beijos!

    E eu não me canso de dizer SOMOS OURO NA MARATONA FEMININA DO PANAMERICANO!!!!!
    Silmara Robiati Giglio Castilho

    ResponderExcluir
  8. Prof, que orgulho a família Giannoni tem de você!!!! Sofremos da estrada, ligando pra um e pra outro na hora em que a Adriana estava ultrapassando a adversária. Posso imaginar a emoção de vocês dois. Já admirava a Adriana por tudo o que ela é: simples, educada, determinada, esforçadíssima (isso nem precisava falar...), agora então ..........
    Como é bom fazer parte dessa sua assessoria. As conquistas vêm pra aqueles que realmente merecem! Curtam muito esses momentos aí no Pan. Abraços mil e parabéns pros dois, da amiga Mariangela.

    ResponderExcluir
  9. Não sou velhinho na equipe como o Blois, Melina, Osvaldinho, Saco de Lixo, mas já estou a quase dez anos na S&P. Foi aí que consegui a sonhada maratona abixo de 4hrs, melhor tempo nos 10 e 21K, e se agora não viso mais tempo e resultado em provas, continuo fiel ao treinador e equipe, só pelo prazer de estar toda semana no meio desta familia S&P, comandada brilhantemente pelo Capo Cláudio. Já sentimos aquela emoção na Olimpiada ao ver o Teles entrando no estádio, enquanto os outros brasileiros paravam pelo caminho porque não tinham mais chance de medalha, e eu comentava com o Cláudio como um atleta vai tão longe e não termina uma prova, e a resposta era: É Tonhão, falta de comprometimento. Aí vemos seus atletas triunfando. Muito legal tudo isso. O texto do Blois não deixa muito espaço para escrever muita coisa,foi perfeito, mas ainda sobra espaço para dizer, parabéns Capo e parabéns Adriana.

    Antonio Hengler Rodrigues, o Tonhão.

    ResponderExcluir
  10. Daniel, como vc disse a S&P acaba sendo uma familia, portanto sempre acompanhos os passos de todos. Cada aventura, prova que um dos nossos familiares participam, cá estamos nós a torcer. Estou um pouco distante das corridas e das noticias do Pan, mas foi com muita alegria que recebi a noticia desta conquista.
    Parabéns Capô, parabéns Adriana... e como alguém diz: As dores passam, a conquista fica...

    ResponderExcluir